sexta-feira, 20 de julho de 2012

FÁBULAS, Paulo Coelho.

Tenho certeza que alguns fizeram uma reserva mental crítica quando viram PAULO COELHO no título do post, mas aí está a minha leitura de junho: Fábulas – Histórias de Esopo e La Fontaine para o nosso tempo.
Depois de muito tempo sem ter nas mãos um livro deste autor, novamente estive com Paulo, que vendeu, até hoje, um total de 100 milhões de livros, em mais de 150 países, tendo suas obras traduzidas para 66 idiomas e sendo o autor mais vendido em língua portuguesa de todos os tempos. :O
Mesmo com todo esse currículo ele divide opiniões por conta da conturbada biografia [mundo das drogas, manicômio, ocultismo, sociedades secretas..] e das ideias sobre espiritualidade e esoterismo.. nem todos lembram que o sucesso de Raul Seixas muito se credita às letras compostas por PC! #tenteoutravez
De todas as suas obras, só li Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei, Veronika Decide Morrer, O Demônio e a Srtª Prym e O vencedor está só.
[Para quem não torce o nariz para Paulo Coelho, ele escreve para o portal G1 textículos dignos de uma olhadinha num tempo ocioso entre a digestão do almoço e o cafezinho! ]

FÁBULA é um gênero narrativo que teria sido desenvolvido na Grécia antiga por um escravo chamado Esopo, no século VII a. C. Ele inventava histórias em que os animais eram os personagens, e pelos diálogos entre bichos transmitia sabedoria de caráter moral ao homem. O francês Jean de La Fontaine (1621-1695) foi um dos maiores divulgadores dos textos de Esopo, recriando essas fábulas com o objetivo de "educar" o homem de sua época... O que Paulo Coelho fez foi compilar algumas dessas fábulas!! :D






“Fábula é um discurso mentiroso que retrata uma verdade.” - Theon (século I d.C.); 

“A fábula tem dupla finalidade: entreter e aconselhar”. - Fedro (século I d.C.);

“A fábula é uma pequena narrativa que, sob o véu da ficção, guarda uma moralidade”. - La Fontaine (século XVII).




Na orelha do Fábulas – Histórias de Esopo e La Fontaine para o nosso tempo diz que é um livro para os filhos, para os pais, e para os pais lerem com os filhos... Tranquilamente, daria de presente para amigos de 08, 32 ou 45 anos de idade porque o conteúdo é universal e atemporal. O que Paulo Coelho faz é dar um toque mais contundente e ácido quando adapta aos dias de hoje as lições de moral, que são impressas em itálico ao final de cada fábula.
Na Folha de São Paulo, Fábio Victor referiu: Em "A Lebre e a Tartaruga", por exemplo, a história fica intacta - certa da vitória, a lebre vai cochilar e perde a corrida para a tartaruga -, mas a moral consagrada vai na linha "devagar se vai ao longe". Já Coelho crava: "A diligência é o que faz com que ganhemos as competições".

Em que pese surgidas há quase 2 mil anos – como literatura oral –  percebo que as fábulas estão mais presentes do que nunca no nosso mundo moderno. Exemplifico com o advento (e consolidação!) dos filmes de animação. Toy Story, Carros, Madagascar, Rio são alguns exemplos do gênero que alcança adultos e crianças com a mesma aceitação, cujos temas giram na busca da justiça, forte versus fraco, disputa de poder, luta do bem e do mal... Pra gente ver que não só hoje, mas desde o surgimento do senso de conhecimento/cultura na humanidade, o homem se vale de coisas animadas e inanimadas da natureza para transmitir valores e princípios humanos! Como se essa antropomorfização pseudorretirasse a autoria de nossos comportamentos sociais transgressores ou os suavizasse quando praticados por simpáticos animaizinhos (araras Blu e Jade, leão Alex, pinguim Kowalski) ou objetos (carro Relâmpago McQueen, boneco de pano Woody..).

 

Contando no máximo com 4 ou 5 parágrafos cada fábula, achei uma leitura rápida e leve, e algumas páginas contam com a tinta do ilustrador Renato Alarcão! :)

Livro bom (conteúdo relevante), bonito (com ilustrações fofas) e barato (cerca de 20 reais).
Das 96 fábulas, destaquei algumas que colaciono abaixo para dar o gostinho das belas lições de moral e ética contidas nessas curtas estórias:

O caranguejo e sua mãe
Uma carangueja velha olha para seu filho e diz: ´´Por que você sempre caminha de lado, meu filho? Você deveria andar em linha reta.´´
O filhote responde:
´´Ensina-me como fazer isso, mãe, que seguirei o seu exemplo.´´
A velha carangueja tenta várias vezes, mas não consegue.
Diz finalmente:
´´Desculpe, meu filho. Estou errada em tentar corrigir aquilo que é parte de nossa maneira de ser.``

Dar o exemplo é sempre melhor do que fazer uma crítica.
**Júpiter e a tartaruga
Júpiter ia se casar e decidiu convidar todos os animais ao banquete de comemoração.
Todos compareceram, bem-vestidos e cobertos de presentes – exceto a tartaruga, que morava perto de um lindo campo de flores.
Alguns dias mais tarde, Júpiter a encontrou próxima de um rio e perguntou por que ela não tinha ido à festa.
´´Porque não há nenhum lugar como a minha casa``, foi a resposta.
Furioso, Júpiter decidiu que, a partir daquele dia, a tartaruga viveria com a sua casa presa às costas, nunca mais podendo sair, mesmo que quisesse.

Quando os deuses querem enlouquecer as pessoas, satisfazem todos os seus desejos.
** O adivinho
Um adivinho passava seus dias no mercado prevendo o destino daqueles que o remuneravam com algumas moedas. 
Certa manhã, um grupo de garotos se aproximou, dizendo que a casa do adivinho havia sido saqueada por ladrões, e que eles tinham levado absolutamente tudo.
Desesperado, o adivinho saiu correndo para sua casa, gritando e pedindo ajuda. As pessoas olhavam assustadas, e uma delas comentou:
´´É mais fácil saber o destino dos outros do que entender o que está acontecendo em sua própria vida``.

Quem tenta saber mais sobre os outros termina esquecendo de aprender sobre si mesmo.
**A pulga e o boi
Uma pulga disse para o boi:
´´Por que um animal forte como você passa a vida servindo o homem, enquanto eu, que sou pequenina, sugo o sangue dele sem problemas?''
O boi respondeu:
´´Os homens são bons para minha espécie e sou grato a eles. Eles me dão abrigo e comida e, de vez em quando, demonstram afeto me dando umas palmadinhas nas costas.``
E a pulga entrou imediatamente em depressão. Mesmo que fosse capaz de sugar o sangue humano, jamais conseguiria receber umas palmadas carinhosas, pois seria incapaz de sobreviver a qualquer manifestação de afeto.

Melhor pouco amor do que se alegrar por estar sozinho.

**O velho leão
Um leão, enfraquecido pela idade, decidiu recorrer à astúcia em vez da força para caçar.
Deitou-se em sua caverna e fingiu estar doente. Assim, quando os outros animais entravam para saber se aquele grande animal selvagem tinha finalmente desaparecido, ele pulava e os devorava imediatamente.
Muitos morreram dessa maneira, até que um dia passou por ali uma raposa. Ainda do lado de fora, gritou:
´´Como vai, senhor leão?``
´´Muito mal, senhora raposa, me sinto muito farco... Por favor, entre para conversarmos.``
E a raposa respondeu:
´´Adoraria entrar e até faria isso se não fosse pelas pegadas desenhadas na areia. Elas só mostram animais entrando – e nenhum saindo dessa caverna.``

Antes de percorrer um caminho, escute as histórias daqueles que já passaram por ali.

Um beijo bom,
Camilla.

3 comentários:

  1. Boa noite.

    Um salmo, sem motivo especifico por ter deixado no seu blogger, mas especifico para que leia as Escrituras de Deus, pois ela sempre fala ao nosso ser.

    SALMO 17
    1 OUVE, SENHOR, a justiça; atende ao meu clamor; dá ouvidos à minha oração, que não é feita com lábios enganosos.
    2 Saia a minha sentença de diante do teu rosto; atendam os teus olhos à razão.
    3 Provaste o meu coração; visitaste-me de noite; examinaste-me, e nada achaste; propus que a minha boca não transgredirá.
    4 Quanto ao trato dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei das veredas do destruidor.
    5 Dirige os meus passos nos teus caminhos, para que as minhas pegadas não vacilem.
    6 Eu te invoquei, ó Deus, pois me queres ouvir; inclina para mim os teus ouvidos, e escuta as minhas palavras.
    7 Faze maravilhosas as tuas beneficências, ó tu que livras aqueles que em ti confiam dos que se levantam contra a tua destra.
    8 Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas,
    9 Dos ímpios que me oprimem, dos meus inimigos mortais que me andam cercando.
    10 Na sua gordura se encerram, com a boca falam soberbamente.
    11 Andam-no agora espiando os nossos passos; e fixam os seus olhos em nós para nos derribarem por terra;
    12 Parecem-se com o leão que deseja arrebatar a sua presa, e com o leãozinho que se põe em esconderijos.
    13 Levanta-te, SENHOR, detém-no, derriba-o, livra a minha alma do ímpio, com a tua espada;
    14 Dos homens com a tua mão, SENHOR, dos homens do mundo, cuja porção está nesta vida, e cujo ventre enches do teu tesouro oculto; estão fartos de filhos e dão os seus sobejos às suas crianças.
    15 Quanto a mim, contemplarei a tua face na justiça; eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar.

    Abraços
    Jesus Cristo te Ama!
    Ele é o Caminho, e a Verdade, e a Vida.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, a pessoa aí de cima, no comentário, acho que resolveu responder ao Paulo Coelho com um Salmo......hehehehehe. Brincadeiras a parte, eu não tenho nenhum tipo de "afastamento" em relação ao Paulo Coelho, apenas não o conheço, literariamente! POrtanto, prefiro falar das Fábulas! Estas sim me agradam bastante, aliás, quanta reflexão nos trazem elas, não é?? Pergunta:Será que existe relação da Mitologia com as Fábulas de Esopo?

    Dica: "As Mais Belas Lendas da Mitologia" (Émile Genest/José Féron) Ed. Martins Fontes

    bjs

    ResponderExcluir
  3. AMEEEEEI A dica sobre mitologia!!
    Esses dias falava com uma amiga sobre isso, do quanto eu precisava achar uma bibliografia meio genérica de mitologia.. para dp ir mais a fundo!
    :D
    Valeeeu!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget