segunda-feira, 27 de julho de 2015

O SOL É PARA TODOS, Harper Lee

O Sol é para todos (To kill a mockinbird, título em inglês) é um livro publicado em 1960 pela escritora americana Harper Lee.

A história se passa no condado de Maycomb, no estado do Alabama, sul dos EUA, nos anos 30, onde um homem negro é acusado de estuprar uma mulher branca. 

O advogado responsável pela sua defesa no tribunal é Atticus Finch, pai de Scout e Jem. 

Scout é a menina perspicaz que descreve a nem tão pacata vida no interior do Alabama, desde suas brincadeiras com o irmão Jem e o amigo Dill, até acontecimentos da vizinhança racista! 

O livro tem uma linguagem simples, talvez porque é contado pela ótica de uma criança.. Mas apesar da "inocente" visão das coisas, é apresentado um subtexto com injustiça social, preconceito racial, paternidade, amadurecimento, tolerância, noções de justiça e direitos humanos.

"- (...)Scout, por causa da natureza que exerce, todo advogado assume pelo menos um caso que o afeta pessoalmente. Tenho a impressão de que esse é o meu. Você provavelmente vai ouvir coisas horríveis sobre isso na escola, então me faça um favor: levante a cabeça e abaixe os punhos. Não importa o que digam, não deixe que eles a façam perder o controle. Tente lutar com as ideias, para variar... mesmo que seja difícil".

Scout é uma personagem muito carismática, esperta e questionadora, e justamente essa inocência ao observar os fatos é que dá um tom quase leve para assuntos tão pesados quanto um estupro. 
adaptação para o cinema, em 1963

Não pretendo dar spoiler.. apenas mencionar que muitas coisas são "costuradas" a cada capítulo, até mesmo durante o julgamento do negro Tom Robinson, fazendo transparecer facetas ora boas, ora más de certos personagens.
Gente, a história surpreende até o final!! Eu recomendo de olhos fechados essa leitura.. que será apreciada por jovens a partir de uns 15 anos de idade, mais ou menos. :D

"- Essas pessoas certamente têm o direito de pensar assim, e têm todo o direito de ter sua opinião respeitada - considerou Atticus. - Mas antes de ser obrigado a viver com os outros, tenho de conviver comigo mesmo. A única coisa que não deve se curvar ao julgamento da maioria é a consciência de uma pessoa".

O sol é para todos é um livro com fôlego, constância e ritmo, o que torna a leitura muito prazerosa e, por tudo isso, inesquecível!!

Um beijo bom,
Camilla. 

sexta-feira, 17 de julho de 2015

CRÔNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA, Gabriel Garcia Márquez

Crônica de uma morte anunciada foi o primeiro livro do Gabriel García Márquez que eu li (seguido do - absoluto - Cem anos de solidão, que a qualquer momento vou me encorajar pra escrever uma resenha). 
Gabo é incrível, e para quem conhece sua obra é dispensável qualquer comentário... 
*
176 páginas de boa literatura! (Editora Record)
 “No dia em que iam matá-lo, Santiago Nasar levantou-se às 5 e 30 da manhã para esperar o barco em que chegava o bispo.”

A primeira frase do livro Crônica de uma morte anunciada dá o tom da narrativa: pode até ser uma história sobre homicídio, porém contada de maneira única e incomum!
Como viram, há aparente spoiler, mas é justamente nessa brincadeira de inverter a costumeira ordem com que as histórias são contadas que Gabo nos fisga!

E o que segue depois disso é uma série de pequenos acontecimentos que antecedem o assassinato de Santiago Nasar numa pequena aldeia no litoral da Colômbia. 
*
outra capa editora Record
Logo depois do pomposo casamento, Bayardo San Román foi ´desposar` Ângela Vicário e percebe que ela não é mais virgem. Devolvida à família, a moça "confessa" que o "responsável" foi Santiago. 

"Ela demorou apenas o tempo necessário para dizer o nome. Buscou-o nas trevas, encontrou-o à primeira vista entre tantos e tantos nomes confundíveis deste mundo e do outro, e o deixou cravado na parede com o seu dardo certeiro,como a uma borboleta indefesa cuja sentença estava escrita desde sempre."

Através de um narrador-testemunha, amigo de Santiago, ficaremos sabendo dos motivos e conhecendo os autores do crime. 
Percorreremos ruelas do litoral colombiano enquanto vizinhos dão suas versões sobre o fato, caprichando em detalhes sórdidos - a nível de fofoca - a respeito das famílias envolvidas..
O mais interessante de tudo é que o prenúncio do assassinato estava ululante na comunidade inteira e mesmo assim ninguém tentou impedir!

"Nunca houve morte mais anunciada."

Ficamos apreensivos pra saber mais sobre o que de antemão já sabemos - as circunstâncias da morte de Santiago Nasar. A narrativa é envolve e intrigante, recheada de pormenores bem costurados... com certeza, uma leitura inesquecível!


García Márquez tinha o dom de criar personagens fortes e marcantes, tal como Arcádios e Buendías, e contava histórias com uma maestria incomparável.
Não morra sem ler Gabriel García Márquez!

Um beijo bom,
Camilla.
Ocorreu um erro neste gadget